REUNIÕES DOUTRINÁRIAS PÚBLICAS PRESENCIAIS

SEDE > Av. Nossa Senhora de Copacabana, 709 - 5º andar:
➢ QUARTAS-FEIRAS: ÀS 8h30m e ÀS 19h30m;
➢ SEXTAS-FEIRAS, ÀS 16h

NÚCLEO PAULO e ESTEVÃO > Rua Rodolfo Dantas, loja 97 (térreo) Copacabana

Reuniões Públicas:
➢ SEGUNDAS-FEIRAS: ÀS 14h, 17h30m, 19h E ÀS 20h30m
➢ TERÇAS-FEIRAS: ÀS 8h30m
➢ QUARTAS-FEIRAS: ÀS 14h
➢ SEXTAS-FEIRAS: ÀS 14h, 18h E ÀS 20h

Evangelização:
➢ JUVENTUDE ESPÍRITA IRMÃ SCHEILLA:
➢ ÀS SEXTAS-FEIRAS: 19h30m
➢ EVANGELIZAÇÃO INFANTIL e GRUPO FAMILIAR LÍVIA LENTULUS:
➢ AOS SÁBADOS, 10h

NÚCLEO EMMANUEL > Estrada Engenho D’Água, 690 – Anil – Jacarepaguá

Reuniões Públicas:
➢ TERÇAS-FEIRAS: ÀS 14h
➢ QUARTAS-FEIRAS: ÀS 20h

Evangelização:
➢ EVANGELIZAÇÃO INFANTIL:
➢ AOS SÁBADOS, 9h30m

Semana: de 17 de junho a 23 de junho de 2024

REUNIÃO VIRTUAL SEMANAL
ESTRÉIA
Dia 17 de junho (segunda-feira), às 19h pelo canal do Lar de Tereza no YouTube
Palestrante
Expositor(a): WALLESKA BÁRTOLO MONTEIRO
Integrante do Lar de Tereza

TEMA: “VIDA SOCIAL, INSULAMENTO, VOTO DE SILÊNCIO”
(O Livro dos Espíritos: perguntas: 766 a 772)



O LIVRO DOS ESPÍRITOS

III – parte: Das leis morais

CAPÍTULO VII - Da lei de Sociedade

NECESSIDADE DA VIDA SOCIAL

766. A vida social está em a Natureza?
“Certamente. Deus fez o homem para viver em sociedade.
Não lhe deu inutilmente a palavra e todas as outras faculdades necessárias à vida de relação.”

767. É contrário à lei da Natureza o insulamento absoluto?
“Sem dúvida, pois que por instinto os homens buscam a sociedade e todos devem concorrer para progresso, auxiliando-se mutuamente.”

768. Procurando a sociedade, não fará o homem mais do que obedecer a um sentimento pessoal, ou há nesse sentimento algum providencial objetivo de ordem mais geral?
“O homem tem que progredir. Insulado, não lhe é isso possível, por não dispor de todas as faculdades. Falta-lhe o contacto com os outros homens. No insulamento, ele se embrutece e estiola.”

Homem nenhum possui faculdades completas. Mediante a união social é que elas umas às outras se completam, para lhe assegurarem o bem-estar e o progresso. Por isso é que, precisando uns dos outros, os homens foram feitos para viver em sociedade e não insulados.

VIDA DE INSULAMENTO. VOTO DE SILÊNCIO

769. Concebe-se que, como princípio geral, a vida social esteja na Natureza. Mas, uma vez que também todos os gostos estão na Natureza, por que será condenável o do insulamento absoluto, desde que cause satisfação ao homem?
“Satisfação egoísta. Também há homens que experimentam satisfação na embriaguez. Merece-te isso aprovação? Não pode agradar a Deus uma vida pela qual o homem se condena a não ser útil a ninguém.”

770. Que se deve pensar dos que vivem em absoluta reclusão, fugindo ao pernicioso contacto do mundo?
“Duplo egoísmo.”

a) — Mas, não será meritório esse retraimento, se tiver por fim uma expiação, impondo-se aquele que o busca uma privação penosa?
“Fazer maior soma de bem do que de mal constitui a melhor expiação. Evitando um mal, aquele que por tal motivo se insula cai noutro, pois esquece a lei de amor e de caridade.”

771. Que pensar dos que fogem do mundo para se votarem ao mister de socorrer os desgraçados?
“Esses se elevam, rebaixando-se. Têm o duplo mérito de se colocarem acima dos gozos materiais e de fazerem o bem, obedecendo à lei do trabalho.”

a) — E dos que buscam no retiro a tranquilidade que certos trabalhos reclamam?
“Isso não é retraimento absoluto do egoísta. Esses não se insulam da sociedade, porquanto para ela trabalham.”

772. Que pensar do voto de silêncio prescrito por algumas seitas, desde a mais remota antiguidade?
“Perguntai, antes, a vós mesmos se a palavra é faculdade natural e por que Deus a concedeu ao homem. Deus condena o abuso e não o uso das faculdades que lhe outorgou. Entretanto, o silêncio é útil, pois no silêncio pões em prática o recolhimento; teu espírito se torna mais livre e pode entrar em comunicação conosco. Mas o voto de silêncio é uma tolice. Sem dúvida obedecem a boa intenção os que consideram essas privações como atos de virtude. Enganam-se, no entanto, porque não compreendem suficientemente as verdadeiras leis de Deus.”

O voto de silêncio absoluto, do mesmo modo que o voto de insulamento, priva o homem das relações sociais que lhe podem facultar ocasiões de fazer o bem e de cumprir a lei do progresso.

Sugestões bibliográficas:
- O Livro dos Espíritos - Comentário de Kardec às questões 768 e 772 - Allan Kardec.
- O Consolador – perg. – 54, 55, 56- Emmanuel - Francisco C. Xavier, FEB.
- Estude e Viva – Cap. 9 – Pag. -60- Emmanuel (F. C. Xavier), A. Luiz (W. Vieira), FEB.
- Ponderações Doutrinárias – Cap. 14 – Existência Social - Deolindo Amorim.
- Desperte e Seja Feliz – Cap. 11 – Vida Social - Joanna de Angelis (D. P. Franco, LEAL.




LEITURA INICIAL

CONTRADIÇÃO

Muitos companheiros, a pretexto de se guardarem contra o mal, evitam contatos com esse ou aquele círculo de serviço, caindo frequentemente em males de maior monta.

E para isso, quase sempre, recorrem a negativas de várias espécies.

Dizem-se pecadores, mas fogem deliberadamente ao ensejo que lhes propicia a aquisição de virtude.

Afirmam-se devedores, quando, nesse aspecto, lhes cabe maior diligência na solução dos compromissos de que se oneram.

Declaram-se inúteis, ausentando-se dos quadros de trabalho em que poderiam mostrar os préstimos de que são mensageiros.

Asseveram-se imperfeitos, desertando da luta capaz de conferir-lhes mais amplo burilamento.

Escrevem longas confissões de remorso, sem ânimo de gastar ligeiros minutos na reparação dos erros em que se anunciam incursos.

Proclamam-se cansados, esquecendo-se de que, assim, exigem mais dura cooperação dos semelhantes, em diversas ocasiões, muito mais fatigados do que eles mesmos.

Intitulam-se por vítimas do desencanto, veiculando o pessimismo com que esmagam as esperanças alheias.

Categorizam-se por neurastênicos angustiados, sem compaixão para com aqueles que lhes suportam a bile.

Acreditam-se perseguidos por Espíritos inferiores, sem jamais ofertar-lhes qualquer recurso de amor à renovação.

Lamentam-se. Colecionam queixumes. Exageram sintomas. Escusam-se e choram.

Ante a educação que ilumina e a caridade que levanta, imaginam-se ignorantes e fracos, malogrados e infelizes, muitas vezes mentalizando infortúnio e frustração, tédio e suicídio.

Transitam aqui e ali, ente a desconfiança e o desânimo, sentindo-se habitualmente desamparados e incompreendidos, destacando-se, onde surjam, à maneira de sensitivas ambulantes, temendo ciladas e tentações.

E encerram-se, por fim, na reclusão de si mesmos como se, insulados e inertes, estivessem conquistando altura moral. Contudo, nada mais conseguem que a fuga do dever a cumprir, porque, se, em verdade, procuram a apetecida libertação do mal, é imprescindível entendam que a melhor maneira de se extinguir o mal será fazermos para com todos e em toda parte a maior soma de bem.

EMMANUEL
(Religião dos Espíritos - Cap. 47, -Pág. 117 Francisco Cândido Xavier, FEB.)

PROGRAMAÇÃO VIRTUAL

Pelo nosso canal no YouTube
Às segundas-feiras: 19h
JUNHO - 2024:


Dia 3:
Tema: “DUELO – PENA DE MORTE”
(O Livro dos Espíritos: Lei de destruição > Perguntas: 757 a 765)
Expositor: EDER ANDRADE
Integrante da CEC – Comunidade Espírita Cristã, O Consolador - Copacabana/RJ
Direção: JUPIRA

Dia 10:
Tema: “JUSTIÇA DAS AFLIÇÕES”
(O Evangelho: Capítulo V, itens 1 a 3)
Expositor: GILMAR DE MOURA
Integrante do LAR DE TEREZA
Direção: RENATA VELOZO

Dia 17:
Tema: “VIDA SOCIAL, INSULAMENTO, VOTO DE SILÊNCIO”
(O Livro dos Espíritos: Lei de destruição > Perguntas: 766 a 772)
Expositora: WALLESKA BÁRTOLO MONTEIRO
Integrante do LAR DE TEREZA
Direção: VERA LYA

Dia 24:
Tema: “O LEGADO DE CHICO XAVIER e A ATUALIDADE”
Expositor: CESAR SOARES DOS REIS
(Foi: presidente do Lar Fabiano de Cristo e do Instituto de Cultura Espírita do Brasil; atualmente: membro do Conselho Superior da FEB e do Conselho Deliberativo da Editora Espírita Lorenz)
Direção: CLAUDIO PEREIRA PINTO


OBS: Para consultar a programação do mês, completa, acesse o NRI: Novos Rumos Informativo, clicando aqui.